Tecnologia, Negocios e Informações para PME

Abrir o próprio negócio é o sonho de muitas pessoas, nesta até eu me incluo, mas na hora de dá inicio ao projeto, muitos acabam desistindo e deixando para mais tarde, tentarei aqui ajudar com algumas informações que podem auxiliar nesta decisão.

O sonho de abrir  o próprio negócio vem acompanhado da  possibilidade de ter independencia financeira, não ter chefes, não cumprir horários, mas o fato é que, quando somos os proprietários acabamos trabalhando mais, prestando mais contas a fornecedores, clientes etc, e a independencia financeira essa demora ainda um pouquinho mais, dependendo do negócio o retorno do investimento pode demorar de 12 a 36 meses, e ai neste tempo você só trabalhará  para o seu novo chefe (A Empresa); sem falar ainda que, deve-se ter habilidades de empreendedor, se mesmo assim, você decidir que vale a pena, então é só da inicio ao próximo e…

Primeiro passo: A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DE SUA EMPRESA;

A elaboração do Plano de Negócios, é uma forma de estruturar a empresa no papel, e assim poder ter uma idéia melhor do empreendimento, analisando de forma clara a viabilidade do negócio; para fazer o Plano de negocios você pode: procurar uma empresa de assessoria, o SEBRAE, ou ainda, se tiver os conhecimentos necessarios podera baixar o softwate do SEBRAE no site: http://www.sebrae.com.br/uf/minas-gerais/produtos-servicos/software-de-plano-de-negocio; ele possibilita fazer uma Plano de Negócios bem completo, se nenhumas das alternativas lhe agradou, liste em um papel os seguintes itens:

O importante é ter formalmente um documento que possibilite analisar a situação e só assim ver se sua idéia é viável e rentavel;

Em Breve, próximos passos…

Finanças Pessoal e Empresarial: Granatum – A versão pessoal é gratuita,  Na  versão empresarial, o Granatum oferece uma degustação grátis de 15 dias conheça a ferramenta acessando o site www.granatum.com.br.

Gerenciamento de Projetos: Granttprojec: – Software para projetos mais facil e ainda free vc pode baixar no: http://www.baixaki.com.br/download/ganttproject.htm ou http://ganttproject.br.malavida.com/d4646-download-gratis-windows

Mapas Mentais: FreeMind – http://www.baixaki.com.br/download/freemind.htm

Estou fazendo o Curso Balance Scoradcard  (BSC) pela FGVOnline e na primeira unidade tem um texto que achei muito bom vou disponibiliza-lo para conhecimento de quem interesar.

Só com mudanças as empresas se salvam

As empresas que resistiram às inovações mercadológicas, servindo como casa de repouso para seus executivos acomodados, não sobreviverão ao atual estágio do mercado.

A hesitação demasiada de muitos empresários e executivos para efetuar modificações organizacionais inevitáveis, exigidas pela evolução competitiva, está provocando o fracasso de inúmeras empresas. Mesmo com as vendas em queda e perda de mercado muitos ainda persistem em continuar utilizando tecnologias obsoletas, sistemas administrativos ineficientes e equipe sem qualificação.

É crucial dar atenção aos fatores que, na última década, estão forçando as empresas a mudar seus procedimentos: a globalização da economia, as exigências de qualidade, concorrência, novos produtos, terceirização.

A globalização da economia passou a exigir maior capacidade competitiva de todas as empresas. O mercado das empresas é o mundo inteiro: de carros a computadores, todos são distribuídos mundialmente. Nenhuma empresa pode pensar seu modo de atuação regionalmente, pois de alguma forma será afetada pelas políticas mundiais de comércio. Se ela não conquistar novos mercados, os concorrentes virão para cá e tomarão seu espaço.

As exigências de qualidade também modificaram os comportamentos empresariais. Consumidores, empresas e indivíduos exigem de seus fornecedores qualidade dos produtos, e nas relações empresas-mercado comprometimento ecológico e social…

As negociações tornam-se mais difíceis, os clientes exigem preço e qualidade. Os compradores tornaram-se exigentes e impõem requisitos que apenas fornecedores organizados e competentes conseguem atender. Os demais fornecedores, que possuem um fraco sistema de marketing, estão decretando sua exclusão do mercado paulatinamente. Ou as empresas tornam-se competitivas ou fecham!

Administradores tiveram que modificar seu modo de pensar para adaptarem-se a essa nova realidade. A estrutura das organizações teve que ser modificado para que cada função ou departamento funcione como um elo de um sistema de desenvolvimento e distribuição de produtos e serviços. Cada departamento contribuindo para agregar valor ao produto final. A estrutura piramidal passou a não funcionar dentro desse esquema, sendo substituída por uma estrutura linear, ou matricial, composta por diversas unidades de serviço.

O trabalho em equipe passou a ser fundamental para o sucesso da organização e cada indivíduo passou a ver seu companheiro como um cliente. Cada profissional teve que buscar possuir uma visão generalista para entender a importância de sua função dentro da organização e do mercado.

A empresa que resistiu a essas inovações mercadológicas e às tecnológicas, servindo como casa de repouso onde se recebe um salário no final do mês para executivos acomodados, passou a não sobreviver neste cenário. E aquelas que ainda insistem em resistir, ganharam uma sobrevida apenas.

Ou mudam ou desaparecem.

Fonte:

SANTANA, José. Só com mudanças as empresas se salvam. [S.l.: s.n].

Quando entrei na faculdade de Administração, uma das coisas que ouvi sobre administração e que me chamou mais atenção, foi as funções de um administrador.

Fayol foi o primeiro a definir as funções básicas do Administrador, sendo elas: planejar, organizar, controlar, coordenar e  comandar.

E ai fui vendo a perfeição da administração na Teoria, tudo em nossa volta gira em torno destes 4 quesitos, sendo o planejamento o pilar que determina o sucesso que terá nossas decisões: pessoais, emocionais, profissionais e empresariais. Como o maior problema das pessoas hoje em dia é a falta de planejamento vou discorrer um pouco sobre o assunto que tem levado algumas pessoas/empresas  a se endividar, comprar mais caro ou até mesmo ter prejuizos por não fazer planejamento.

Planejar: “definir o futuro da empresa, principalmente, suas metas, como serão alcançadas e quais são seus propósitos e seus objetivos” (ARAÚJO, 169, 2004), ou como “ferramenta que as pessoas e as organizações usam para administrar suas relações com o futuro. É uma aplicação específica do processo decisório.” (MAXIMIANO, 105, 2002).

O planejamento envolve a determinação no presente do que se espera para o futuro da organização, envolvendo quais as decisões deverão ser tomadas, para que as metas e propósitos sejam alcançados. (Wikipedia)

Assim, Planejamento é uma ferramenta administrativa que propociona construir um referencial do futuro e das possibilidade e avaliar os caminhos a se tomar, exitem 3 tipos de Planejamento:

Planejamento Estratégico: Neste, se  considera a empresa como um todo e é elaborado pelos níveis hierárquicos mais altos da organização. Relaciona-se com objetivos de longo prazo e com estratégias e ações para alcançá-los.

Planejamento Tático: Aqui , a atuação é em cada área funcional da empresa, seu desenvolvimento se dá pelos níveis organizacionais intermediários, tendo como objetivo a utilização eficiente dos recursos disponíveis com projeção em médio prazo.

Planejamentos Operacional: Processo específico requerido nos níveis inferiores da organização, apresentando planos de ação ou planos operacionais. É elaborado pelos níveis organizacionais inferiores, com foco nas atividades rotineiras da empresa, portanto, os planos são desenvolvidos para períodos de tempo bastante curtos.

A Lei Complementar 128/2008 cria a figura do Microempreendedor Individual – MEI, com vigência a partir de 01.07.2009.

A Nova lei visa tirar da informalidade aquelas pessoas que trabalham por conta própria e tem uma renda mensal de até R$ 3.000,00 ou 36.000,00 por ano.

Quem adere ao programa do Governo Federal fica isento de quase todos os tributos incluidos no Supersimples. Os impostos municipais, estaduais, federais e INSS serão pagos em um único carnê, uma vez por mês e os valores variam de R$ 50,00 a R$ 60,00 reais. Alem disso, se tornando um MEI voce terá CNPJ, e com isso fácil acesso ao crédito bancario. Para se inscrever acesse: www.portaldoempreendedor.gov.br

Problemas dos Empreendedores Não Legalizados

Quatro dos grandes problemas que os empreendedores informais sofrem:

a) A comprovação de renda, que impede o empreendedor de alugar uma casa, comprar um carro ou até mesmo fazer um empréstimo bancário;

b) A falta de comprovação de aquisição de suas mercadorias – o que fazia com que muitas vezes os famosos “rapas” – os fiscais municipais ou do estado – chegassem aos mercados populares e levassem todas as mercadorias por falta de notas fiscais;

c) As reclamações trabalhistas, já que não havia como registrar um empregado com as altas taxas de contribuição previdenciária; e

d) A falta de benefícios previdenciários para o próprio empreendedor.

Algumas Vantagens em fazer a Legalização

1) A legalização do negócio bem como a primeira declaração anual serão feitas de forma gratuita, pelos contadores.

2) Toda a parte burocrática terá custo zero também para as taxas de alvará, etc.

3) Os impostos serão em valores fixos e hoje, no total de R$ 51,65, sendo R$ 45,65 para a Previdência Social (equivalente a 11% do salário mínimo, que atualmente é de R$ 510,00), mais R$ 5,00 de ISS – Imposto Sobre Serviços e apenas R$ 1,00 de ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias. E mais nada.

4) Os novos empresários terão direito aos benefícios da Previdência Social como aposentadoria por idade e outros auxílios.

5) A empresa será registrada no CNPJ – Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas. Isso quer dizer que a empresa poderá comprar, vender e até participar de licitações, podendo gerar uma renda extra que antes nem se poderia imaginar em obter.

6) Poderão ser emitidas Notas Fiscais para todas as suas vendas, sendo obrigatórias somente quando houver venda para pessoas jurídicas, ou seja, para outras empresas.

7) O MEI ainda poderá ter um empregado registrado – desde que este receba entre o salário mínimo e o piso salarial da categoria, pagando apenas mais 3% do salário do empregado, a título de Previdência Social. É uma excelente forma de evitar ter empregados sem registro e estar sujeito às reclamações trabalhistas. Também caso o empregado sofra um acidente de trabalho, por exemplo, terá sua remuneração assegurada pela Previdência Social.

8 – Praticamente todos podem ser Microempreendedores Individuais. Camelôs, ambulantes, vendedoras de cosméticos, verdureiros, cabeleireiros, eletricistas e outros profissionais que vivem sem poder comprovar uma renda formal, sem poder emitir uma nota fiscal e até mesmo sonhar mais alto com um crescimento pois a carga tributária era incompatível com o início dos pequenos negócios.

9) A partir da formalização da empresa, poderá fazer empréstimos bancários para crescer, com taxas bem menores que as praticadas para as pessoas físicas.

Condições

Para poder se enquadrar na figura de microempreendedor individual, o trabalhador deverá ser optante pelo Simples Nacional, não ser titular, sócio, ou administrador de outra empresa. Também não poderá ter filiais e poderá ter, no máximo, um empregado que receba até um salário mínimo – ou o salário mínimo da categoria.

Maiores Informações: http://www.portaldoempreendedor.com.br

Pelo menos duas vezes no ano, faço faxina em casa e no escritorio, para liberar mais espeço e manter a organização, e sempre me espanto com o grande número de papel que tenho guardado. E sempre vem a dúvida o que guardar ? e por quanto tempo ? fiz uma pesquisa e vou disponibilizar para vocês os prazos de alguns documentos que devemos manter arquivados.

Fonte: Idec (Instituto de Defesa do Consumidor)

Guardar por três anos:

a) os recibos de pagamentos de aluguel:
b) recibos de diárias de hotéis:
c) recibos de pagamento de restaurante:

Guardar por cinco anos:

a) os tributos ( IPTU, IPVA, Imposto de Renda e outros);
b) contas de água, luz, telefone e gás;
c) recibos de assistência medica e plano de saúde;
d) recibos escolares;
e) pagamento de cartões de créditos;
f) recibos de pagamentos a profissionais liberais;
g) pagamento de condomínios;

Guardar por vinte anos:

a) documentos comprobatórios para aposentadoria junto ao INSS

Outros prazos:

a) Seguros em geral (vida, veículos, saúde, residência etc) – 1 ano após o término da vigência
b) Extratos bancários – 1 ano;
c) Notas fiscais – até o término da garantia do produto;
d) Declaração de Imposto de Renda e documentos anexados – 6 anos;
e) Comprovantes de pagamento de financiamentos de bens como carros e imóveis – até o término do pagamento de todas as parcelas ou após a entrega da escritura definitiva (imóveis) e/ou documento que oficialize a quitação (consórcio)

Com todos os comprovantes devidamente guardados,  havendo necessidade, é so consultar o arquivo e ter a garantia de não pagar duas vezes a mesma despesa ou, de correr atrás de seus direitos.

O segredo do (bom) trabalho (Ricarvalho)

 “E tudo quanto fizerdes, fazei-o de coração, como ao Senhor, e não aos homens.”

“Fazer o que gosta” é o senso comum dos especialistas em vocação e colocação profissional. Mas como chegar lá? Os mesmo especialistas admitem que, não é fácil chegar lá, para a maioria das pessoas – eu concordo. Até pouco tempo eu não sabia do que gostava ou, ao menos, não gostava de nada que me sustentasse. Passaram-se anos até que senti na pele o que Gonzaguinha escreveu: “E sem o seu trabalho, o homem não tem honra. E sem a sua honra, se morre, se mata”. Não cheguei literalmente ao “Morre” e “Mata”, mas o sentimento era de algo semelhante. Não que fosse difícil reverter o estado de ociosidade total – neste caso. Certas qualificações podem lhe proporcionar certos tipos de serviços. Mas eu não estava em busca de apenas um serviço, e sim, de um trabalho que engrandecesse meu espírito (e o bolso) – não o ego. Algo que me fizesse acordar no horário marcado com um sorriso, e este, eu pudesse levar comigo a todos os lugares com a boca cheia de adjetivos do quão gratificante era meu oficio. Mesmo nos maus dias. Ter ciência que o alimento de cada dia e as vestimentas que me cobriam, respingavam gotas de meu suor. Não apenas o óleo viscoso proveniente da transpiração; mas do símbolo do fazer o que gosta todos os dias. Calcular, correr, ensinar, inspirar, escrever e etc – não importava. O que importava era o fazer o que gosta. Pensava eu… Que o importante era o fazer o que gosta e não gostar do que eu fazia. Mesmo que apenas o suficiente para manter a dignidade e o sustento. Mas o fazer o que gosta estava cravado no intimo e cobria meus ideais como um véu. Fazer o que gosta. Fazer o que gosta. Mesmo vivendo em uma caverna e comendo dos restos – fazer o que gosta ou não fazer nada. A Bíblia diz, em uma analogia simples de se entender, desta sabedoria em se prover: “Vai ter com a formiga, ó preguiçoso, considera os seus caminhos, e sê sábio; a qual, não tendo chefe, nem superintendente, nem governador, no verão faz a provisão do seu mantimento, e ajunta o seu alimento no tempo da ceifa.“ Provérbios 6:6-11. Até aqui se pode perceber a tolice do narrador – clara como cristal. A verdade é que a busca de um sonho suplantou as possibilidades; tornando as possibilidades, visitantes desconhecidos para um anfitrião arrogante. E o ócio tornou-se preguiça e a preguiça um guia. Estava condenado e não sabia – assim li na bíblia: “Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças; porque no Seol(inferno), para onde tu vais, não há obra, nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.” Eclesiastes 9:10. – cruz credo, se benze o preguiçoso; se benzia eu. Vejo agora com clareza, que toda aquela monotonia insana baseada em um sonho, que distanciado pelo ego mimado desperdiçaram meus dias. Aprendi que não devemos esquecer os nossos sonhos, mas também, devemos vigiar nosso orgulho. O mundo não nos oferece apenas frutas maduras e doces, topamos quase sempre com as verdes e amargas. O exercício da paciência é uma virtude milenar. Como assistir, certa vez, em um filme: “todos, um dia, servem café”. E não há vergonha nisso, não há vergonha no trabalho – vergonhoso é roubar, e ainda a tantos que o fazem. Hoje, “sirvo café” com orgulho, vendo este serviço como um degrau que me levará aos meus sonhos. Quiçá um dia, meus descendentes aprendam tal lição antes de se darem conta que o tempo só anda para frente, e que a memória castiga a consciência pelos dias perdidos pelos “SE´s”. “Ah, se eu tivesse…” O segredo de um bom trabalho é amar o que estiver fazendo e sonhar com o que há de vir. Pois aquele que busca encontrará.

Nuvem de tags